10/10/2018

Será que já é a hora de trocar de carro? Descubra!

Depois de realizar o sonho de adquirir o primeiro veículo, os apaixonados por automobilismo só pensam nos próximos passos. A hora de trocar de carro também chega para aqueles que não estão movidos pela paixão: há diversos motivos que justificam a necessidade de comprar outro modelo.

Entretanto, fazer essa troca não é uma tarefa simples. É preciso considerar fatores afetivos e financeiros, além de ter muita atenção para não se arrepender da escolha. Por isso, vale a pena pesquisar bastante. Pensando nisso, preparamos este post especial para ajudar você. Veja os pontos que podem indicar que esse momento chegou!

Mudanças nas necessidades

Quando você comprou o seu carro atual certamente fez isso baseado nas necessidades que tinha na época. Com o tempo, a vida passa por muitas mudanças e nem sempre o veículo se encaixa no seu futuro. Um modelo adquirido para uso moderado na cidade, por exemplo, torna-se inviável quando você passa a viajar constantemente.

Nesse caso, é importante trocar por uma versão mais potente e com melhor rendimento em estradas. Da mesma forma, quando a família aumenta é interessante adquirir um carro mais seguro e espaçoso para acomodar as crianças. Já se você começa o próprio negócio e precisa transportar materiais, deve investir em um veículo utilitário.

Esses são alguns exemplos de como a hora de trocar de carro chega com a mudança do perfil de motorista e das necessidades. Outra situação comum é quando as pessoas passam a ganhar mais dinheiro e têm o desejo de comprar um modelo melhor ou mais novo.

Fim da garantia

Muitos motoristas buscam a segurança de não depender de oficinas mecânicas particulares para resolver problemas com o veículo. Por isso, valorizam bastante a garantia da montadora. No Brasil, ela costuma durar de 3 a 5 anos. Várias pessoas planejam a substituição do carro quando esse período está perto de chegar ao fim.

Essa é uma vantagem principalmente para aqueles que não têm muito conhecimento sobre carros. Fazendo isso, não é preciso se preocupar com o funcionamento do veículo e nem pesquisar por um mecânico de confiança. Basta cumprir o calendário de revisões da concessionária, bem como procurá-la para realizar os consertos eventuais.

Quilometragem alta

Outro indicativo que chegou a hora de trocar de carro é o fato de você já ter rodado muito com ele. A frequência e os gastos com manutenção ficam maiores conforme o número no odômetro do veículo sobe. É uma questão compreensível, já que o deslocamento maior causa desgastes excessivos nas peças.

Por isso, veículos com muitos quilômetros rodados estão mais propensos a deixar você na mão e gerar grandes custos na oficina. Em geral, isso acontece a partir dos 60 mil quilômetros rodados, mas se acentua quando o carro passa dos 100 mil quilômetros. Esse é um ótimo período para pesquisar a compra de um novo.

Idas constantes ao mecânico

Ir à oficina é motivo para irritação em muitos motoristas. Isso porque a ida envolve deixar o carro parado por uns dias para realização do serviço e pagar por manutenções e substituição de componentes. Quando o veículo aumenta a frequência de consertos, o proprietário passa a levar mais a sério o pensamento de trocá-lo.

Mas é importante segurar a ansiedade e analisar a situação. Não tome essa decisão na primeira conta maior que tiver no mecânico. Em muitos casos, uma manutenção corretiva cara não significa que o veículo vai começar a dar muitos gastos a partir de agora. Esse quesito deve ser avaliado em conjunto com outros igualmente relevantes, como a idade e a quilometragem do carro.

Uma dica é verificar com o mecânico quais serão as próximas revisões e os possíveis problemas que seu veículo pode ter no futuro. Com isso, dá para fazer as contas e decidir se a substituição é a melhor alternativa ou se o ideal é esperar mais algum tempo.

Alto custo para manter o carro

Infelizmente, muitos brasileiros não se planejam para a compra do veículo. É comum, por exemplo, entrarem em financiamentos e não conseguirem pagar os juros cobrados pelos bancos. Além disso, há gastos com combustível, impostos (como IPVA e licenciamento), seguro e revisões.

Diante disso, a hora de trocar de carro chega para alguns quando há o risco de endividamento. Nesses casos, a melhor opção é comprar um modelo mais barato. Veículos populares permitem economia não só no preço de compra, mas em todos os outros itens que citamos. Os valores das manutenções, dos impostos e do seguro também são menores.

Se você está nessa situação, lembre-se de procurar um modelo que apresente um bom consumo de combustível. Assim, é possível economizar muito no seu dia a dia. Além disso, evite veículos importados, que têm peças mais caras, e não deixe de planejar a troca do carro no seu orçamento. O consórcio é uma boa alternativa para se livrar de juros.

Desvalorização do veículo

Carros são um tipo de bem que sofrem muita depreciação. Ao sair da concessionária, um modelo zero quilômetro já começa a valer menos do que o preço que você pagou. Embora essa queda seja maior nos primeiros anos, manter veículos mais antigos também não é tão atrativo.

Na hora de trocar de carro, muitos proprietários oferecem o que já têm como entrada na concessionária. Ou, ainda, vendem a particulares para conseguir um valor maior na compra do novo. Por isso, é interessante acompanhar a desvalorização do seu veículo. Quanto mais tempo você passa com ele, mais dinheiro vai precisar desembolsar para trocá-lo.

Esse motivo faz com que a depreciação seja um dos fatores mais relevantes para decidir comprar outro carro. Principalmente porque ela está relacionada a outros sinais igualmente importantes, como a maior quilometragem e o aumento da frequência de manutenções. Vale a pena ficar de olho nesse ponto para saber quando é vantajoso manter o veículo ou não.

Agora você conhece os principais sinais de que está chegando a hora de trocar de carro. Não há uma resposta definitiva para todos os casos, mas considerar os aspectos que citamos aqui ajuda muito a tomar essa decisão. Não se esqueça de se organizar financeiramente para aproveitar esse momento sem dores de cabeça.

E então, gostou deste post? Que tal compartilhar nas suas redes sociais e discutir o assunto com amigos? Vamos lá!